Construir Mudanças para Realizar o Futuro (Parte I) Artigos, Crescimento Pessoal

crescimento-pessoal

Durante trinta e seis anos exerci minha atividade em tempo integral: cirurgião-dentista especialista em endodontia (tratamento de canal).

Mas, felizmente ou infelizmente, comecei a perceber que muitos pacientes voltavam relatando dores que, para eles, poderiam ter origem dentária mas que, em realidade eram dores provenientes da articulação dos maxilares: sinais e sintomas de bruxismo, uma das consequências do estresse.

Comecei a pesquisar mais este assunto consultando livros textos na internet, conversando com outros colegas dentistas, médicos e psicólogos até chegar à observação da Organização Mundial da Saúde: estresse é considerado a epidemia do século XXI.

A partir daí estabeleci um objetivo em minha vida: além de continuar atendendo pacientes em minha clínica, procuraria levar às pessoas algo que as fizessem ter mais qualidade de vida em um mundo que, cada vez mais, transforma as pessoas em “coisas” e “robôs”.

E quando tomei esta decisão, percebi que, para caminhar nesta nova rota, eu teria que mudar: sair de uma área pequena de atuação (a boca), para algo bem maior que envolvia uma forma holística e integral de considerar as pessoas e o ambiente onde estavam inseridas.

Mudar não é fácil. Mudamos de casa, de emprego, de cônjuge, quando vamos ser pais, quando nos tornarmos pais, quando nos divorciamos, quando somos promovidos ou despedidos, quando ganhamos ou perdemos dinheiro, quando temos que enfrentar uma doença séria (própria, do cônjuge, dos filhos); quer queiramos ou não, mudamos a cada momento.

Enquanto redijo este texto, já não sou mais o mesmo: quantas células do meu organismo já morreram e foram substituídas por outras? Isto nos transporta a um outro conceito: mudanças são dinâmicas, estão sempre ocorrendo e nunca irão parar de ocorrer. Talvez o maior problema é que o Ser Humano não se conscientize deste processo.

A verdade é que estamos em constantes mudanças: nós, o ambiente, as pessoas… Como pessoas, estamos em constante mutação: mudamos nossas atitudes, nossa maneira de pensar, nossos objetivos. Ou você, caro leitor ou leitora, se acha a mesma pessoa de cinco anos atrás? Claro que não.

Volto a afirmar: mudar não é fácil. Mudar, transformar o que precisa ser transformado, seja o que for, inclusive a si mesmo, não é fácil.

Existem pessoas que sequer dão o primeiro passo. Quantos de vocês conhecem pessoas que dizem: “vou começar o regime para emagrecer na segunda-feira”, mas não dizem qual segunda-feira.

Tais pessoas sofrem da famigerada síndrome de Gabriela, uma alusão à música cujos versos são: “eu nasci assim, vou viver assim, vou morrer assim…” Além de ser inconscientes das mudanças, não fazem o mínimo esforço para estabelecer objetivos, metas e ir adiante. E aí o tempo passa, elas ficam se lamuriando que a vida não é boa, que Deus se esqueceu delas, que o Governo não lhe dá o básico, culpam sempre os outros, a Natureza, o vizinho, isso e aquilo… Chamo estas pessoas de verdadeiros “postes”, que não saem do lugar independentemente do que está ocorrendo à sua volta. Enfim, preferem (ou não tem a consciência para tal) seguir uma vida nada agradável, permeada de negativismos e de resistências às mudanças.

Mas, felizmente, existe outro tipo de pessoas, aquelas que sofrem da síndrome do escorpião. Explico: o que faz um escorpião quando está em perigo? Por exemplo; se você fizer um círculo com álcool em volta de um escorpião e atear fogo, o que ele faz? Ele crava o ferrão na própria cabeça e se suicida.

Por isso uso esta metáfora. Aqueles que querem mudar sofrem deste tipo de síndrome. Ao dormir suicidam-se, para acordar melhor e transformados no dia seguinte. São pessoas que estão sempre preparadas, física e mentalmente, para as mudanças que, conscientemente, sabem que estão sempre ocorrendo e, quando acham que não estão ocorrendo, as constroem visando um futuro melhor. Por isso, tenho sempre na memória duas frases célebres: “a única coisa imutável é a mudança” (Tao chinês) e “o homem não entra duas vezes no mesmo rio” (Heráclito de Éfeso) visto que, na segunda vez, tanto a água, como ele, não serão mais os mesmos.

Tais pessoas conseguem, com muito mais facilidade, alcançar o sucesso pessoal e profissional. São pessoas que possuem um senso muito forte de coragem e persistência para se manterem firmes e constantes até alcançar seus objetivos, independentemente de quais sejam.

Estas pessoas sabem que apenas o dom, seus talentos, a qualidade de sua formação, sua raça, sua origem, praticar valores, ter uma genialidade ímpar… nada disso será importante se ela não estiver disposta a perseverar. E perseverança e persistência estão diretamente relacionadas com a sua vocação, sua voz interior, aquela que a mantem apaixonado (a) pelo que faz, paixão por um propósito, paixão que o (a) faz mudar de forma consciente e que o (a) faz escolher o caminho para chegar, amanhã, onde deseja.

Cesar Souza, em seu livro “O Momento de sua Virada” (Ed. Gente, 2004) descreve as características daqueles que sofrem da síndrome do escorpião:

  • definem com clareza o destino desejado, aplicando intensamente seu foco no futuro, e não no passado;
  • entendem que a travessia é tão importante quanto a chegada;
  • criam circunstâncias favoráveis e rupturas construtivas que os conduzem ao próximo “porto” desejado. Não ficam à espera de rupturas indesejáveis para dar suas guinadas;
  • possuem um conjunto de atributos e atitudes que viabilizam os vários momentos da virada em suas vidas; e,
  • traçam planos “com alma”. Aplicam grande dose de paixão no que fazem em vez de ser meras peças da engrenagem de planos burocratizados.

O objetivo. A linha de chegada. O porto.

Se você chegou até aqui, meus parabéns! Bem vindo (a) ao “clube dos escorpiões”. Você tomou uma decisão para si, e isto é ótimo. Você começou a “construir” suas mudanças para buscar algo maior, um objetivo, um alvo.

Agora responda: você tem sonhos? Se você sonha, você pode estabelecer objetivos. Outra pergunta: você sabe o que é um objetivo? Para Jonas Gomes da Silva, “o objetivo é o sonho com prazo determinado”.

Agora a coisa complica um pouco. Responda sinceramente: estou preparado (a) para assumir riscos e estabelecer estratégias para definir as metas necessárias para alcançar o objetivo? Tenho a coragem necessária para vencer o medo, as dúvidas e a insegurança daquilo que poderá ser totalmente novo e diferente para mim? Estas coisas podem lhe impedir e fazê-lo (a) recuar. Pense sobre isto antes de começar a construir e a trilhar seu novo caminho. Aquele que é só seu.

(Continua na Parte II)

Construir Mudanças para Realizar o Futuro (Parte I)
0 votes, 0.00 avg. rating (0% score)

Tag Cloud